Saturday, December 30, 2006

As facções e o Congresso do Partido em 2007

Por vezes – demasiadas vezes – o Partido Comunista Chinês é visto como uma entidade monolítica em que o debate de ideias é subalternizado pelas disputas de cariz corporativo, num ambiente em que as facções são caracterizadas por grupos de influência regionais (Xangai, Pequim, Cantão,etc).
Não sendo esta observação incorrecta é manifestamente insuficiente. Na análise à vida política interna do PCC encontramos vários obstáculos. Desde logo, a opacidade da estrutura do centralismo democrático. Por outro lado – no meu caso – a falta de conhecimento da língua e dos códigos de língua implícitos e os subtextos que estão associados ao discurso dos dirigentes leva a que o processo interpretativo e indutivo seja mais complexo.
Embora seja referida por vezes a dicotomia ala direita/ala esquerda ou conservadores/reformistas, na verdade esta dialéctica não se aplica adequadamente à dinâmica interna do Partido (o que não quer dizer que não haja sensibilidades mais favoráveis à abertura política e/ou económica e outras menos).
Deste modo é necessário utilizar outro tipo de grelhas de análise. Por exemplo, Heitor Romana no seu muito interessante “República Popular da China: A Sede do Poder Estratégico” divide o posicionamento dentro do Comité Permanente do Politburo do PCC decorrente do 16º Congresso do PCC em dois grupos: sector moderado-tecnocrata e sector moderado-ideológico. No primeiro coloca dirigentes como o primeiro-ministro Wen Jiabao, Li Changchung ou Huang Ju. O segundo engloba o presidente hu Jintao, Zheng Qinhong ou Wu Bangguo. Os moderados-tecnocratas defendem que as reformas económicas – gradual introdução do capitalismo - devem ser controladas e conduzidas pela burocracia tecnocárica do Partido. Já os moderados-ideológicos “procuram controlar o processo [de reformas] assumindo uma posição de consciência ideológica do Partido face à ruptura do novo modelo de economia em relação ao sistema ideológico socialista”(p.150), não sendo contra as reformas –defendendo-as – são mais cautelosos face ao ritmo e à profundidade.
Numa outra perspectiva Cheng Li pergunta “Towards a system of one Party, two factions?”, num artigo publicado no início de Dezembro pela Jamestown Foundation da série China Brief. Grosso modo, Cheng identifica duas grandes coligações com base no percurso dos dirigentes, na origem geográfica e em questões ideológicas: os elitistas e os populistas. Os primeiros são identificados com o chamado “Grupo de Xangai”, tendo em Jiang Zemin e Zen Qinhong os actores primordiais, sendo seguidos por Wu Bangguo ou Huang Ju. Muitos destes dirigentes estudaram fora do país e estão mais ligados às províncias ricas do litoral. Outros são descendentes das famílias de dirigentes históricos; são os denominados “princelings”.
Contrariamente, o presidente Hu Jintao ou o primeiro-ministro Wen Jiabo são oriundos de famílias pouco abastadas e passaram parte significativa das suas carreiras políticas nas “fronteiras do império” e nas zonas menos desenvolvidas do interior e do oeste. Têm um discurso dirigido às zonas rurais, procurando alavancar a posição económica das províncias menos desenvolvidas – uma posição política expressa no último Plano Quinquenal através do conceito de “Novo Campo Socialista”.
As recentes detenções de dirigentes do PCC de Xangai, acusados de corrupção, indicam que a limpeza servirá para fortalecer a posição dos homens de Hu. Mas nada disto é linear. Prova disso foi a nomeação de um homem próximo de Jiang Zemin e do Grupo de Xangai para preparara a sessão plenária do 17º Congresso do PCC, onde será eleito o novo Politburo e o Comité Permanente do Poliburo, o sistema nervoso central do aparelho do Partido-Estado.

Cheng Li em “China’s inner-party democracy: toward a system of one party, two factions?” perspectiva que

“In the elections for the 16th Party Congress in 2002, most members of the elitist coalition appear to have voted for both Hu and Wen, since neither individual lost more than a few votes. One can reasonably predict that during the elections for the 17th Party Congress, both Hu and Wen are unlikely to receive the same categorical support. Members of the elite coalition have already begun to realize the need to constrain the powers of the populist coalition, and China’s politicians will be more familiar with the new “rules of the game” in elite politics. If these assumptions are correct, we may soon witness an even more dynamic and “bipartisan” phase in the development of China’s elite politics”.

Já Lyman Miller em “The Road to the 17th Party Congress"da Hoover Institution observa que

“the congress may elevate Hu Jintao’s implicitly designated successor. If
Hu himself follows the norm of retirement at age 70, his second term as party generalsecretary following the 17th Congress will be his last. Hu benefited from a process ofincremental preparation to succeed Jiang Zemin that began in 1992 and culminated in hisemergence as China’s top party, state, and military leader in the 2002–2004 leadershiptransition. If a course comparable to Hu’s is followed, preparation of Hu’s successorwould perhaps begin with his elevation onto the Politburo Standing Committee at the
17th Congress, followed by his incremental assumption of posts second in command toHu as vice president and, eventually, vice chairman of the CMC. Most of these posts are currently occupied by Zeng Qinghong, who will be 68 by the time of the party congress.The preparation of Hu’s successor may well become entangled in the fate of Zeng Qinghong, an important leader long associated with Jiang Zemin”.


Naturalmente que estas duas visões são oriundas de "think tanks" norte-americanos, carecendo provavelmente de carecem de pontos da China continental. Em todo o caso, serve este texto para lançar um assunto que irá certamente ser o acontecimento político do ano da China em 2007: o 17º Congresso do PCC.

3 comments:

AG said...

A arte de interpretar inscrições inexistentes escritas com tinta invisível numa página em branco ?

JCM - Ma Tin Long said...

É um pouco isso. Simon Leys, no ensaio a que te referes, assemelha esse exercício à capacidade que os velhos sagazes têm no campo, "capazes de prever o tempo que vai fazer pela simples observação da profundidadde das escavaçõs das toupeiras" (p.36)

Daniel said...

ou da altura do voo das andorinhas";)

No "quem é quem" do Comité Central do PCCCCCCCCCCCCCCCC(!), em lugares de praticar omissões significantes, quantos são os "chu shen hao" e, destes, quais são aqueles formados exclusivamente no interior das margens do Império do Meio?
Quanto aos quadros técnicos e aos jovens quadros partidários vivemos numa suspeita de planeada internacionalização, mas quanto aos decisores políticos nada sei.

(Help)