Thursday, December 15, 2005

Uma heresia

"Forcing a developing economy to open itself up to imported products that would compete with those produced by certain of its industries, industries that were dangerously vulnerable to competition from much stronger counterpart industries in other countries, can have disastrous consequences - socially and economically. Jobs have systematically been destroyed - poor farmers in developing countries simply could not compete with the highly subsidized goods from America and Europe - before the countries' industral and agricultural sectors were able to grow strong and create new jobs."

Joseph Stiglitz, "Globalization and its Discontents", Penguin Books, 2002, p. 17.

4 comments:

El Mono said...

Só uma pergunta:
José Carlos Santos da RUC?

Ma Tin Long said...

Nem mais!Eu mesmo.

El Mono said...

Vejo que continuas por Macau. Vou aparecer por cá mais vezes. Grande blog! Como deixaste cair o Santos fiquei um bocado à toa...
Grande abraço camarada!
Robalo

A. Tlön said...

O bom e velho argumento das indústrias nascentes. Mas o que é um desafio intelectual é perceber como se "aguentam" estes subsídios à produção agrícola nos dois grandes blocos de comércio nos dias que correm. Vai ser interessante registar o que irá ser conseguido (ou perdido) pela América Latina a este propósito. Virando a agulha para as perspectivas financeiras, dá quase vontade de dizer que não é minimamente expectável que o Blair possa fazer outra coisa numa perspectiva britânica que, afinal de contas, ele "também" representa: se é para abdicar de algo que já se tornou uma instituição para os britânicos, então que seja por uma reforma inteligente e consistente dos objectivos do orçamento da União. Olhar para este orçamento e ler o documento da Estratégia de Lisboa tão afanosamente elaborado pela Maria João Rodrigues só permite que se solte uma ruidosa gargalhada.

Um abraço. Este teu blog é uma delícia. Sérgio.

Ps: dia 23 lá estamos;)