Tuesday, March 28, 2006

Reequilíbrios

Vale a pena prestar mais atenção ao que está escrito no Plano Quinquenal 2006-2010. Um dos aspectos mais importantes tema ver com a mudança de perfil do crescimento económico que a China pretende adoptar. O PIB da República Popular da China deverá deixar de estar apenas ancorado no investimento e nas exportações, para ter uma fatia cada vez mais importante ao nível do consumo interno. Ou seja, a China deixará de ser apenas a fábrica do mundo para passar a ser igualmente um mercado de consumidores, que com a ascenção social proveniente das reformas económicas iniciadas há 25 anos por Deng Xiaping, passarão a ter um poder de compra cada vez mais elevado. Por outro lado, o estado passará a colocar em prática instrumentos de correcção das desigualdades (ainda que de forma limitada), o que terá duas funções primordiais: primeiramente providenciar uma rede de apoio na segurança social e nos cuidados médicos; em segundo lugar, libertar rendimentos para o consumo. E isto terá naturalmente efeitos a nível global: Stephen Roach, economista-cehe da Morgan Stanley destaca três efeitos potenciais deste novo equilíbrio: a baixa de preços de matérias-primas, valorização da moeda chinesa e aparecimento do consumidor chinês.

"a redução do ritmo de crescimento do investimento temperará o impacto da China em muitos mercados de matérias-primas.
Por exemplo, em 2005, a China representou 25 por cento da procura mundial de alumínio e entre 30 a 35 por cento do consumo global de cobre, ferro, aço e carvão.
No caso concreto do petróleo, o esforço chinês de conservação de energia - há uma meta de redução de 20 por cento do conteúdo em energia na produção em cinco anos - pode amplificar as tendências para a baixa nos preços do petróleo dos produtos refinados.
Em segundo lugar, a valorização da moeda favoreceria o consumo e reduziria o excedente comercial, o que aliviaria as tensões proteccionistas anti-chinesas em crescendo no comércio internacional.
Esta evolução beneficiaria Japão, Taiwan e Coreia do Sul, entende Roach.
O terceiro impacto potencial mencionado é o aparecimento do consumidor chinês, que deve ser "a história principal dos próximos três a cinco anos".
A liderança chinesa, realça, admite que este cenário tem riscos, o principal dos quais é o da instabilidade, vista como "o constrangimento principal ás reformas e ao desenvolvimento da China".
Desde 1997, as empresas estatais já reduziram o seu efectivo laboral em 60 milhões de pessoas.
Esta redução massiva de emprego público tem sido compensada com um crescimento económico acelerado.
A questão, agora, é saber se a redução da taxa de crescimento para os 7,5 por cento ao ano nos próximos cinco anos é compatível com a reorganização do sector empresarial público.
Roach admite que sim, uma vez que as reformas das empresas públicas já estão avançadas e que o ritmo de redução de pessoal baixou para dois milhões por ano". (Lusa)

2 comments:

Anonymous said...

Caro José Carlos,

A Foreign Policy de Março Abril tá a pedir uma leitura. Um excelente artigo sobre a insustentabilidade da economia planificada chinesa e seu enquadramento político e outro sobre a gestão da crise SARS.

Um abraço com saudades desta coisa dos blogs!

Gonçalo Curado

Ma Tin Long said...

Obrigado Gonçalo,
Vou já ler isso!!